A gente queimou as pochetes e agora vocês vêm com isso??

pochetes-blocos-da-cintura-6

 

Amigas feministas jovens, milleniuns, geração Y, trabalhadoras de startups, garotas maravilhosas de coletivos e todas as minas modernas do mundo: nós, as feministas do inicio do ano 2000, amamos vocês.

Com vocês aprendemos a usar a palavra empoderamento (com certa ironia, mas sabendo que faz todo sentido), o termo Mansplaining (que para mim é o melhor de todos e adotei na vida). Também soubemos que aquilo que sempre soubemos que existia, homem tentar nos convencer de que somos loucas, chama gaslighting.

Entendemos que vocês chamem texto grande de textão (e adotamos também, apesar de acharmos que um texto grande é só uma coisa normal). Estamos juntas em quase todas as brigas. Tentamos entender que vocês briguem por que umas são RadFem e outras liberal. A gente se chama de sem carteira. Quando a gente fez o “02 Neurônio”, a gente se chamava de Riot Girl. A nossa inspiração foi a Courney Love, a PJ. Mas tambem achamos a Emma Watson ótima. Tudo certo.

A gente aceita até quando uma de vocês começa a nos dar aula de feminismo, a gente fala que criou o 02 Neurônio e vocês perguntam: “o que é isso?”

Não vamos negar que isso dói um pouco. Mas beleza. Aceitamos esse papo de cisgênero, de cis cis etc., apesar de no inicio termos tido dificuldade pra entender. Tudo a gente tenta entender. Tudo. Até que de vez em quando algumas de vocês pensem que a gente não é feminista sendo que a gente tava sendo chamada de vaca quando vocês estavam brincando de Barbie. Beleza. Tudo isso a gente consegue entender.

Agora, como vocês fizeram isso com a gente? Como vocês: voltaram com a pochete? Quando criamos o 02 Neurônio, eu, Jô e Raq (e escrevo no plural porque tenho sei que elas vão concordar), tínhamos alguns lemas: dar para quem quer ser chamada de galinha, lutar contra os homens caretas disfarçados de modernos e… queimar as pochetes! A gente não queimou sutiãs. A gente queimou pochetes. Isso significava nossa pré adolescência infeliz tentando se encaixar com roupas da Company.

Quando o 02 ainda era um fanzine, a Jo cumpriu o desafio de passar um dia de pochete, inclusive. Aí vocês resolvem voltar com a pochete!!!!!!! Que decepção! Por quê? Gostamos da Clarice Falcão. Sim. Mas ai ela aparece em um site de fofocas “de pochete, Clarice falcão” é fotografada com novo namorado, E escreve no twitter: Não vou largar mão da minha pochete!” Por que esse apego, minha gente?

A gente lutou tanto para que a pochete fosse abolida. Tudo bem. Entendemos isso como uma espécie de rebeldia contra a gente. Aceitamos. Mas a gente não criou vocês para isso. Onde foi que a gente falhou? Ok, é alguma espécie de auto afirmação contra a nossa geração que negou a pochete. Fizemos análise o suficiente para entender isso. Somos compreensivas. Mas não pensem que vamos aderir. Não vamos.

E esperamos que vocês isso seja só uma fase. E que logo vocês parem de andar com essa má companhia amarrrada na cintura…

Anúncios

3 comentários

  1. Existem mulheres lésbicas. Existem feministas lésbicas hoje, havia no Riot Grrrl e muito antes dele. Mulheres lésbicas a par de qualquer feminilidade comercial como a da Clarice Falcão, que permanecem em marcha neste feminismo maduro e bobo que as negligenciam. A figura de sapatonas de pochete é recorrente em minhas (recentes) memórias de movimento feminista e estudantil. Sapatonas feministas e maconheiras resistindo contra uma estética feminilizante que se esqueceu de queimar as bolsas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s